Branquitude

É opressivo generalizar sobre o comportamento de grupos de pessoas se tudo o que elas têm em comum é uma característica biológica acidental.

Exceto quando esse grupo é a branquitude. A branquitude existe só para se apropriar da cultura negra, pra chafurdar em seus privilégios, pra oprimir o povo preto com suas polkas, violinos, strudels, mac lanches felizes, Tildas Swintons, Giovanas Antonellis, Thiagos Lacerdas, chapinhas, Wellas, L’Oreals, Viagras, Diazepans, crepes, implantes capilares, vibradores, bandas largas, Hannas Barberas, criações de rãs, pernas de rãs fritas, bolsas de couros de jacarés, picles e psiquiatras.

A casa grande surta quando a senzala manda a real.

Betine BombomBranquitude