Obrigada IBGE

Você poderia ter se contentando em só fazer geografia e estatística. Mas não, bravamente fez justiça social por nós.

Poderia ter meramente aceitado a auto-identificação, como alega para inglês ver, e incluído os termos RACISTAS da população como “mulato”, “moreno”, “cor de jambo”, “meio cafuzo meio confuso”, “mameluco mais maluco”. Mas não: bravamente criou o termo “pardo”.

Poderia também ter sido meramente científico e descrito quantos mestiços se identificam como “brancos” ou com os termos racistas acima. Mas não, seu lindo, você decidiu que na verdade são todos negros. Pegou negro, chamou de preto, pegou pardo e preto e chamou de negro. Confundindo os racistas dessa nação e fazendo dos negros a maioria que eles sempre foram no Brasil!

Muito obrigade, IBGE. Seu nome é até gênere-neutre. Obrigadx por abandonar a ciência positivista racista e adotar a luta empoderadora. Menos estatística, mais recategorização cabalística!

Betine BombomObrigada IBGE